Banheiro público d´estrada

25/03/2010

 
Lav´as mãos
Debruçad´em craquelada pia
Onde cusp´estas lembranças
Da nossa curt´invernada
E da tua ida.

E o´lhar que me olha no´spelh´é ordinário e por isso
Deformo´sabonete´stranguland´um pescoç´imaginário
Qu´é teu
Que quase foi meu
Que nunca tive
Que jamais terei
Que corrompí
Que esnobei
Que libertei
Por causa dess´amor inadimplente,
Adolescente,
Em corpo velho.

Velho par d´olhos em brumas.

E no ral´eu olho
Mi´a vid´espiraland´,
Ind´embora,
Em brancas´spumas.


Sobremesa

08/03/2010

Se uma criança lhe perguntar o que são damascos, diga que são pêssegos convertidos ao Islamismo.


Risco de choque

06/03/2010

Por doer, talvez esse amor
Bem que pudesse
Ter interruptor.